AD em SC

O começo

A Igreja Assembleia de Deus em Santa Catarina e Sudoeste do Paraná teve seu início na cidade de Itajaí em 15 de março de 1931. A semente do Evangelho foi plantada pelo Pastor André Bernardino da Silva, que pregou a Mensagem da Cruz na casa de uma de suas tias, que moravam próximo ao Porto de Itajaí.  Naquele domingo, o que era para ser apenas uma breve visita familiar se transformou num culto de adoração a Deus, onde duas almas aceitaram a Jesus como seu único e suficiente Salvador. Chegava em solo catarinense o maior movimento pentecostal do Brasil: a Assembleia de Deus, fundada por Daniel Berger e Gunnar Vingren.

Mas, ao contrário dos dois missionários suecos que já estavam há cerca de vinte anos trabalhando em prol do Evangelho no Brasil, André Bernardino era apenas um jovem recém-convertido que frequentava a Assembleia de Deus em São Cristóvão no Rio de Janeiro, pastoreada, na época, pelo missionário Vingren. Os fatos que cercam sua conversão, em 15 de agosto de 1930, nos mostram que Deus tinha em seus planos usar este servo fiel para dar início aos trabalhos da igreja em Itajaí.

 

Do milagre ao início de uma grande obra

No livro Raízes da Nossa Fé, o Pastor Ismael dos Santos resgata a história do irmão André Bernardino da Silva e nos conta que este pioneiro das Assembleias de Deus em Santa Catarina, então com dezessete anos, partiu de Itajaí rumo ao estado do Rio de Janeiro para estudar em um seminário e se tornar padre. Mas a carreira teológica logo seria interrompida. Segundo o escritor, “após alguns meses de estudo Bernardino envolveu-se negativamente com a vida noturna carioca. Fugia quase todas as noites em direção às escolas de samba e, numa dessas experiências com a boemia, acabou contraindo tuberculose”.

Quando a doença se agravou, Bernardino foi obrigado a deixar o colégio e, já com os dois pulmões afetados, aceitou a sugestão de um colega para ir morar em um camarote do navio Boa Vista, de propriedade de um empresário joinvilense. “A embarcação estava ancorada para reforma no porto do Rio e, temporariamente, havia se tornado numa espécie de alojamento”, descreve Santos. Neste local, um trabalhador do porto que ouvira falar de uma “igreja que curava” entrou em contato com a Assembleia de Deus em São Cristóvão e, alguns dias depois, os irmãos Daniel Berger, Gunnar Vingren e Paulo Leivas Macalão fizeram uma visita ao jovem enfermo e abandonado naquele sombrio porão de navio.

Cumprindo o ide de Jesus e acreditando nos sinais que haveriam de seguir os que Nele cressem, os missionários oraram por André Bernardino, que foi milagrosamente curado. Neste dia, o milagre da salvação também o alcançou e ele, agora convertido, passou a morar com alguns irmãos de fé junto ao templo da Assembleia de Deus em São Cristóvão. Com o passar dos meses, o jovem dava provas de sua conversão ao participar ativamente dos cultos desta igreja, principalmente na área musical, pois tocava com habilidade e talento vários instrumentos.

 

Relatos do fundador

Em 1981, ano do jubileu de ouro das Assembleias de Deus em Santa Catarina, o próprio Pastor André Bernardino revelou outros fatos importantes de sua conversão e de como voltou a Itajaí naquele final de verão de 1931. Em entrevista à Comissão Organizadora das festividades do Cinquentenário, que publicou uma revista comemorativa, o Pastor contou que desejava apenas visitar seus familiares na cidade, “mas Deus traçou outro plano e, a convite de uma tia, realizou um culto em sua casa, onde duas primas não crentes ajudaram a cantar alguns hinos”. Nesta conversa, o missionário também revelou ter bem vivos em sua memória os acontecimentos deste primeiro culto realizado na cidade de Itajaí. “Cantamos o hino de nº 15 da Harpa Cristã e, logo após outro hino, falei sobre Marcos 16.15 e ainda cantamos o hino de nº 186. Fiz o convite e os senhores Herculano e Cornélio decidiram-se por Cristo”.

No dia seguinte, outro senhor, João Santana, perguntou se o irmão André poderia realizar outra “reunião”, marcada então para aquela noite, onde mais nove pessoas aceitaram a Jesus, inclusive o próprio irmão Santana, que tempos depois se tornaria o primeiro obreiro do campo de Itajaí. Nos primeiros dias, os cultos da nova congregação foram realizados na casa de uma prima do Pastor Bernardino. Algumas semanas depois, as reuniões foram transferidas para a casa da irmã chamada Maria Antônia, onde havia uma sala maior. Com o local novamente lotado, o irmão João Santana ofereceu um terreno dizendo que faria para ele uma casa nos fundos e que, na parte da frente, a igreja poderia construir um templo. “Juntamos, então, alguns irmãos e iniciamos o corte do mato para abrir uma rua que daria acesso a esse terreno. Esta rua passou a se chamar ‘Rua Pentecostal’. E até os não crentes, na época, a chamavam assim, visto serem as nossas reuniões ali, e por sinal, reuniões muito abençoadas”, relatou o pastor.

Aos historiadores, o Pastor André Bernardino também mencionou o primeiro batismo em águas, realizado pelo missionário Samuel Edron às margens do Rio Itajaí-Açu, em junho de 1931, e a primeira irmã a ser batizada com Espírito Santo, Emília Stuart. Ele também recordou com carinho a inauguração do templo da Rua Pentecostal, em 1932, e das primeiras aulas da Escola Bíblica Dominical, iniciada no domingo seguinte após esta inauguração. Neste relato, o missionário também falou dos tempos difíceis vividos no início do trabalho, quando a igreja sofreu muitas perseguições.

 

Aquele que começou a boa Obra…

As lutas e provações enfrentadas nesses tempos difíceis não impediram, todavia, o crescimento da igreja. Com o trabalho do Pastor André Bernardino e de outros que se seguiram ao longo das décadas, milhares de vidas foram alcançadas pelo poder transformador da Palavra de Deus.

Em agosto de 1945, quando a igreja era presidida pelo Pastor Miranda, a Assembleia de Deus deixou a Rua Pentecostal e inaugurou um novo templo, situado na Rua Andrade, nº 123. Os irmãos com mais de 40 anos de fé lembram com carinho que neste templo havia uma cortina no púlpito que lentamente se abria no início do culto, quando a banda tocava seu primeiro hino.

 

Contínuo avanço

A Assembleia de Deus conta hoje com 292 campos eclesiásticos, a boa semente foi espalhada por todo estado de Santa Catarina e atingiu também cidades do sudoeste do Paraná, são mais de 2.800 templos que abrigam cerca de 300 mil pessoas entre membros e congregados.

No momento em que caminha rumo as celebrações do Centenário da Assembleia de Deus em Santa Catarina, pode-se observar o cumprimento literal da Palavra “a boa semente, lançada em terra fértil, pode dar frutos um a trinta, outro a sessenta e outro a cem por um” (Mc 4.10). A Igreja prossegue em franco crescimento, a semente continuará, até a vinda de Cristo, dando seus frutos!